Encontro entre ciência e Aromaterapia no combate a Dermatite Atópica

O que é:
A dermatite atópica, também conhecida como eczema atópico, é um dos tipos mais comuns de dermatite. É definida como uma doença crônica da pele que apresenta erupções que coçam e apresentam crostas.

Causas:

A causa exata da dermatite atópica ainda é desconhecida, mas a ciência acredita que a combinação de pele seca e irritável com mau funcionamento do sistema imunológico esteja entre as causas mais prováveis.
Especialistas acreditam que a dermatite atópica possa ter uma base genética. Dessa forma, as causas deste tipo de eczema estariam atreladas às causas da asma e rinite alérgica. Porém, nem todas as pessoas com dermatite atópica apresentam asma ou rinite alérgica, e nem todas as pessoas com essas doenças desenvolvem dermatite atópica.

Sintomas:
Dermatite atópica é caracterizada por um ressecamento epitelial com prurido (coceira) que levam a lesões escoriadas, além de outros sintomas como:

  • Vermelhidão ou inflamação da pele na pele que causam coceira;
  • Pele danificada, lesada, com alterações na coloração, mais clara ou escura que o seu tom normal;
  • Áreas espessas ou parecidas com couro, que podem ocorrer após irritação e coceira prolongadas.

Fatores desencadeantes:
O desenvolvimento de dermatite atópica, incluem:

  •  Alergia a pólen, mofo, ácaros ou animais;
  • Contato com materiais ásperos;
  • Pele seca;
  • Exposição a produtos químicos irritantes, fragrâncias (essências sintéticas) ou corantes adicionados a loções hidratantes, sabonetes ou shampoos;
  • Stress.

Diagnóstico:
Não há nenhum exame específico para diagnosticar a dermatite atópica, ou seja: o diagnóstico é clínico e feito pelo médico, através do exame da pele durante a consulta.

Tratamento convencional:
O tratamento de dermatite atópica  convencional é feito geralmente à base de medicamentos tópicos, aplicados diretamente na área afetada. Anti-histamínicos, cremes com corticóides, antibióticos e imunossupressores orais.
Alguns anti-histamínicos combatem a coceira e podem causar sonolência,  mas ajudam a diminuir a coceira durante o sono. Consulte seu médico para verificar se há opções de medicações que não causem sonolência.

Tratamento Aromaterápico:
Os óleos essenciais de camomila alemã ou azul, Cedro Atlas, gerânio, lavanda francesa, mirra, Palmarosa, patchouli e tea tree, são os mais indicados.

Associa-se esses óleos essenciais a óleos vegetais como: Andiroba, castanha do Brasil, pracaxi e rosa mosqueta.

Receitinha da vovó: em 1 colher de sopa de óleo vegetal adicione 5 gotas de óleo essencial. Aplique esse óleo nas área afetadas.

Nesse artigo exploraremos o potencial anti-inflamatório da <camomila alemã ou azul:
Camomila alemã ou azul (Matricaria recutita): Aplicações tópicas de camomila demonstraram ser eficaz no tratamento de dermatite atópico. A camomila alivia o desconforto associado com eczema. Num estudo randomizado em pacientes que sofrem de eczema atópico grau médio, comparou a ação do creme Kamillosan a base de camomila com um creme com 0,5% de hidrocortisona e um placebo, consistindo apenas de creme veículo. Após 2 semanas de tratamento, o creme Kamillosan mostrou uma ligeira superioridade em relação a 0,5% de hidrocortisona e uma diferença marginal, em comparação com o placebo. Mais pesquisas são necessárias para avaliar a utilidade de camomila tópica na gestão de eczema ou dermatite atópica.

As flores de camomila contém1-2% de óleos voláteis incluindo α-bisabolol, óxidos de ct-bisabolol A e B e matricina (geralmente convertida para Camazuleno), bem como outros flavonóides que possuem propriedades anti-inflamatórias e antiflogísticos). Um estudo realizado em voluntários humanos demonstrou que os flavonóides de camomila e óleos essenciais penetram as camadas mais profundas da pele. Esta é a chave para seu uso como agente anti-inflamatório tópico. Atividade anti-inflamatória da camomila envolve a inibição dos lipopolissacáridos (LPS) induzidos por prostaglandina E2 e a atenuação da actividade enzimática da ciclo-oxigenase (COX-2), sem a forma constitutiva, COX-1, sendo afectada.

Fonte: Department of Urology and Nutrition, Case Western Reserve University; University Hospitals Case Medical Center; Case Comprehensive Cancer Center, Cleveland, OH 44106, USA.

Compartilhe este artigo

Escrever um comentário

error: Atenção: Conteúdo protegido!