Cacau absoluto 3ml

R$220,00

Em estoque

Aroma da criança interior

Nome cientifico: Theobroma cacao
Origem: Costa Rica
Obtenção: solvente álcool etílico
Coleção: Terra Flor Raro – absoluto 3ml
Certificação: IBD Ingredientes Naturais
Selo IBD - Ingredientes Naturais, para produtos sem aditivos.
Aroma doce, afrodisíaco.
Alegra o ambiente, esquenta e seduz.
Desperta a amorosidade.
Ajuda a eliminar gordura localizada quando utilizado em cremes para o corpo e óleos de massagem. Mantém a silhueta do corpo fina e esbelta.

Faça o seu Login ou assine nossa Newsletter para liberar o download do Laudo técnico de análise.

Você também pode gostar de…

Absoluto de Cacau- Theobroma cacao

Família: Malvaceae, antiga Sterculacae.
Sinônimos populares: chocolate.
Etimologia: o nome Theobroma cacao, foi nominado pelo naturalista sueco Carolus Linneu, e significa “alimento dos deuses”. As civilizações Maia e Asteca, de mesma raiz, possuíam dois vocábulos, kab e kaj, que, numa mesma palavra, kabkaj, formavam a expressão “suco amargo, picante com sabor bastante apimentado”. Segundo historiadores e navegadores como Américo Vespúcio, o nome atual foi dado por Cristóvão Colombo, apreciador do cacau com gosto apimentado. Foi ele um dos primeiros a levar o conhecimento ao Velho Mundo, espalhando a planta, por onde andava. Segundo Cristóvão Colombo, a bebida originada deste suco era nomeada de kabkajatl, onde as três últimas letras significavam “líquido”.
Os espanhóis colonizadores tinham dificuldades de pronunciar a palavra e sempre colocavam um “hu” nas palavras indígenas.
Desta maneira, a palavra acabou transformando-se em kabkajuatl e futuramente em cacauatl.
Origem: América do Sul e Central, Índia Ocidental. Atualmente também é cultivado em Java, Sri-Lanka. No Brasil, o cacau é nativo da Amazônia, tendo sido por muito tempo um produto obtido de extrativismo. Foi cultivado primeiramente na Amazônia, onde já existia em estado natural. Depois, pelo rio Amazonas, passou para o Pará e para o litoral, chegando finalmente à Bahia, onde melhor se adaptou ao solo e ao ambiente marinho e causou o chamado boom da década de 1930.
O Estado da Bahia produz atualmente cerca de 95% do cacau do Brasil, país cuja produção corresponde a mais ou menos 5% da mundial, sendo a Costa do Marfim o maior produtor atual do planeta, com aproximadamente 40% do total da produção mundial.
Parte utilizada: sementes.
Forma de extração: extração por solvente (álcool fenil etílico).
Característica do óleo: viscoso de coloração marrom escuro.
Rendimento: dados não encontrados.
Características botânicas: árvores de pequeno porte, entre 4 a 6m de altura, copa globosa e baixa. As folhas são geralmente pêndulas, de 15-25cm de comprimento. As flores surgem do tronco e nos ramos. Os frutos são bagas geralmente angulosas, medindo até 25cm de comprimento e até 300g, de cor amarela ou vinácea, contendo 20-40 sementes ovóides, envolvidas numa polpa adocicada.
Cultivo: O cacaueiro é uma planta de clima quente e úmido que prefere o solo argilo-arenoso. Sua propagação se dá por sementes. Por ser uma planta umbrófila, vegeta bem em sub-bosques e matas raleadas sendo, portanto, uma cultura extremamente conservacionista de solos, fauna e flora. Pouco mecanizada, é uma cultura que proporciona um alto grau de geração de emprego. Encontrou no sul da Bahia um dos melhores solos e clima para a sua expansão.
História da planta: o cacaueiro é planta nativa nas bacias dos rios Orinoco e Amazonas tendo sua origem nas Américas do Sul e Central Sul. Já era cultivado pelas grandes civilizações indígenas do continente, principalmente pelos incas e astecas antes da chegada dos espanhóis. A sua importância entre os astecas era tão grande que lhe impunham origem sagrada e divina. Acreditava-se que o cacau tenha sido entregue aos homens diretamente pelos deuses.
Os astecas achavam que o deus Quatzalcautl se tornou deus por ter feito uso diário do cacau e que seus efeitos miraculosos o fizeram adquirir os conhecimentos da ciência universal.
Montezuma, imperador asteca, tomava diariamente inúmeras doses de uma bebida feita com cacau, para adquirir sabedoria e poder.
Já para a civilização Maia, o cacau era considerado uma fruta que deveria ser comida com “parcimônia e elegância”, devido ao amargo e apimentado de seu sabor.
Os índios torravam e trituravam o cacau entre duas pedras e o ferviam em água aromatizada com baunilha, canela, pimenta ou suco de aveia até que ficasse pastosa, quando era então servido em taças. Mais tarde os espanhóis adicionaram açúcar e o leite a essa bebida e inventaram o chocolate que conhecemos.
Recebeu então um novo nome: chacauhaa, chacau = quente; haa = bebida.
No México, a semente ou amêndoa do cacau durante muito tempo foi utilizada como moeda e as cidades pagavam seus impostos em amêndoas de cacau.
Foi somente no século XVIII que o cacau penetrou na Europa, pois os espanhóis retiveram durante muito tempo o segredo da fabricação do chocolate. O desconhecimento era tanto que corsários holandeses atiraram ao mar uma preciosa carga de cacau, de um navio capturado, julgando tratar-se de fezes de ovelhas.
Quando os europeus descobriram o chocolate, ficaram encantados e surgiu um livro escrito por Francisco Rauch, em Viena, proibindo aos clérigos o uso do chocolate por ser “droga inflamatória de paixões”, por ser considerada afrodisíaca e despertar o desejo sexual.
Em outras palavras, o chocolate seria fonte de energia.

Aromacologia

Óleo Essencial da criança interior
Este aroma cria uma atmosfera prazerosa, sensual e relaxante. Estimula a espontaneidade da criança interior, trazendo bem estar físico e emocional. Faz esvanecer o sentimento de tristeza e acalenta o coração triste com alegria.
Reduz os níveis de stress, estimulando a produção de endorfinas, aliviando a ansiedade e depressão. Tem sido usado para tratar pessoas depressivas, amargas e sem energia vital.
Indicado para incentivar pessoas sérias, sobrecarregadas com muitas responsabilidades, a curtirem a vida no momento presente, com alegria e prazer. Auxilia também pessoas com personalidade intransigente, exageradamente críticas consigo mesmo a relaxarem e se autopreservarem da rigidez interna.
Ajuda a relaxar as pessoas com atitudes obcessivamente rigorosas em relação às regras alimentares, com dietas extremamente restritas, por medo de se intoxicarem com qualquer alimento. Enfim, é um aroma para descontrair a vida e confiar.
O aroma desse absoluto ainda ajuda a transpor a culpa muito comum de comer chocolate. Também auxilia a saciedade dodesejo de comer chocolate apenas com o aroma, quando é necessária a restrição da ingestão desse alimento devido a problemas físicos.
Formas de uso: ABCAFVIMS

Cosmética

Usado no óleo de massagem pode apresentar efeitos redutores de gordura localizada. O absoluto de cacau possui propriedade antioxidante que auxilia a prevenção do envelhecimento precoce da célula. A manteiga de cacau é muito utilizada por suas propriedades hidratantes, emulsificantes e antioxidantes.
Formas de uso: CFLMT

Usos Tradicionais

Propriedades terapêuticas e principais indicações: antidepressivo, euforizante, afrodisíaco e tônico energético. Estimulante endócrino das endorfinas. A teobromina, principal constituinte molecular do cacau pode apresentar efeito lipolítico. Formas de uso: ABCFLFVM
Benefícios segundo o uso popular: os indígenas usavam as sementes moídas como cicatrizante de ferimentos e em mordidas de cobras. Formas de uso: T
Muito utilizado na culinária por seu efeito antidepressivo, euforizante e afrodisíaco. Indicado para o combate de anorexia nervosa e como tônico energético em períodos de convalescença. Formas de uso: ACAMS

Componentes moleculares: teobromina e cafeína.
Toxicidade: nenhum dado significativo foi encontrado na literatura estudada.
Contraindicações: nenhum dado significativo foi encontrado na literatura estudada.
Forma de uso:
Colar aromático pessoal: para acalmar a tosse pingue. pingue 3 gotas de absoluto de cacau no algodão e acomode no orifício do colar aromático pessoal;
Para acalmar o desejo de comer chocolate: pingue 3 gotas de absoluto de cacau nos pulsos e inale profundamente;
Para dissolver gordura localizada: adicione 70 gotas de absoluto de cacau em 120ml do óleo de massagem;

Fonte:http://www.plantasquecuram.com.br/ervas/cacau

Legenda das Formas de Uso:

OE = óleo essencial
OV = óleo vegetal
CS = colher de sopa

ADVERTÊNCIA: teste o OE sempre que estiver sendo usado pela primeira vez. Para isso, pingue 2 gotas de OE nas axilas, na parte interna do cotovelo e atrás da orelha. Espere por 12hs e observe. Caso apresente alguma reação alérgica, não recomendamos o uso deste OE. Realize este teste mesmo se o OE estiver diluído a um veículo carreador.

A quantidade de gotas de OE sugeridas dependerá da intensidade do aroma do OE escolhido. Alguns OE possuem aroma mais intenso, utilize quantidades menores. Use sempre diluições mínimas em crianças, idosos e gestantes.

AAromatização Ambiental: Pingue mais ou menos 12 gotas de OE na água do difusor ambiental. Adicione mais ou menos gotas de acordo com a intensidade do aroma.

BBanho de Imersão (banheira ou ofurô): Para aromatizar a água do banho, dissolva de 7 até 21 gotas de OE em 3 CS de leite de côco. Adicione mais ou menos gotas de acordo com a intensidade do aroma. Dissolva a mistura na banheira ou ofurô. Nunca use OE diretamente na banheira sem diluição em veículo carreador.

CCompressa local com água ou argila: Pingue de 5 até 10 gotas de OE em 1 CS de OV e dissolva na água fria ou quente. Use uma toalha para fazer a compressa. Na argila, pingue 3 gotas de OE para 1 CS de argila, adicione água ou água floral até formar uma pasta consistente. Use quantas CS de argila forem necessárias para formar uma pasta que cubra toda a área a receber a compressa.

CAColar Aromático: Pingue 3 gotas de OE no algodão e acomode-o no orifício do colar. Adicione mais gotas toda vez que o aroma acabar.

CPCompressa Peitoral: Dilua 3 gotas de OE em 1 CS de OV e massageie a região peitoral. Após a massagem, aplique uma compressa morna.

EPEscalda Pés: Dilua 15 gotas de OE ou sinergia em uma colher de OV e coloque numa balde ou ofurô de pés.

FLFricção Local: Dilua de 3 até 5 gotas de OE em 1 CS de OV e fricione a área afetada.

FPFricção Plantar: Pingue 3 gotas de OE diretamente na planta de cada pé e friccione. Para OE dermoagressivos friccione diretamente pé com pé, não utilize as mãos.

FVFricção Vertebral: Dilua 6 gotas de OE em 1 CS de OV e aplique na coluna vertebral friccionando a pele vigorosamente.

IInalação:
- no lenço, pingue 3 gotas de OE;
- no inalador própro para uso de OE, pingue 5 gotas;
- no pulso, pingue 2 gotas de OE e friccione com o pulso da outra mão.

MMassagem: Adicione de 50 a 70 gotas de OE em 120ml de OV e utilize-o na massagem.

SSpray: Adicione 40 gotas de OE de sua preferência em uma solução de 60ml de álcool de cereais e 40ml de água deionizada. Use com um frasco spray.

TUso Tópico: Pingue 5 gotas de OE diluídas em 1 CS de OV de pracaxi, andiroba, rosa mosqueta ou outro OV indicado.

TCUso Tópico Capilar: Após o enxague final dos cabelos, pingue 5 gotas de OE no couro cabeludo, massageando-o, ou pingue 5 gotas de OE no couro cabeludo, deixe agir por no máximo 8h e lave os cabelos.

VVaporização: Pingue de 8 a 15 gotas de OE em um recipiente com água quente, cubra a cabeça com uma toalha ou cobertor e inspire profundamente até a água esfriar.

Os comentários estão desativados.