Gerânio Egito 10ml

R$97,90

Em estoque

Óleo essencial da feminilidade

Nome cientifico: Pelargonium graveolens
Origem: Egito
Obtenção: destilação a vapor das flores e folhas.
Coleção: Terra Flor Essencial
Certificação: IBD Ingredientes Naturais
Selo IBD - Ingredientes Naturais, para produtos sem aditivos.
Aroma sutil, suave, doce e floral.
Aporta a energia arquetípica do sagrado feminino, estimulando a autoestima.
Equilibra a instabilidade emocional em momentos de crise existencial, ameniza a depressão e falta de confiança.
Regulador hormonal masculino e feminino, usado para atenuar os sintomas da TPM, cólicas, seios doloridos, distúrbios do climatério, menopausa e próstata.
Uma jóia rara para a pele, com potencial regenerador que recupera o tônus da pele madura.
Adstringente, coadjuvante em tratamentos de regulação da oleosidade da pele.
Melhora o aspecto da pele acneica.
Pode ajudar nos cuidados da pele eczematosa.
Útil em massagens para diminuir edemas e celulite.

Desaconselhável o uso durante os três primeiros meses de gestação.

Cromatografia Gerânio
Lote 081

Você também pode gostar de…

Gerânio – Pelargonium graveolens

Pelargonium origina-se do grego pelargos, que significa “cegonha”.
Usado popularmente em rituais do sagrado feminino para atrair a fertilidade.
Os gregos pingam uma gota de OE de gerânio nas malas, mantendo até hoje a crença de que essas não serão extraviadas.
Já os romanos cultivavam essa planta nas varandas para atrair bons vizinhos e bons visitantes.
O gênero Pelargonium, pertence a família botânica Geraniaceae.
Esta família apresenta três gêneros: Geranium, Erodium e Pelargonium (1).
Na aromaterapia o gênero mais utilizado é o Pelargonuim. São plantas delicadas e odoríferas, herbáceas, raramente subarbustivas com folhas inteiras ou fendidas, de disposição alternas entalhadas em forma de mãos.
De acordo com kasia (2013), o primeiro registro de cultivo do gênero pelargonium surgiu na Inglaterra em 1633, infere-se que a origem tenha sido Cape Town, África do Sul. Mais tarde foi catalogado como Pelargonium triste.
Em 1686, dez espécies de Pelargonium foram encontrados crescendo no Jardim Botânico em Leyden-UK, a partir deste momento pelargonios começam a ser membros importantes da flora europeia de jardins.
Entre 1771 e 1772, Francis Masson foi enviado à África do Sul, para coletar espécies de pelargonium perfumados. Sua busca durou 6 anos e resultou na identificação das seguintes espécies perfumadas: Pelargonium radens, Pelargonium quercifolium e Pelargonium graveolens, bem como o Pelargonium crispum com aroma de limão.
O problema com a classificação das espécies de Pelargônios surge devido à facilidade com a qual essas hibridizam-se.
Em 1753, Linnaeus publicou seu Species Plantarum que, embora tenha estabelecido o sistema binomial de nomenclatura, não reconheceu Pelargonium como um gênero distinto e manteve o nome gerânio genérico para as 20 espécies de Pelargonium conhecidos naquele tempo. Tal era o reconhecimento de Linnaeus na época, que o gênero Geranium foi mantido por mais de 40 anos antes do gênero Pelargonium ser finalmente aprovado. (1).
Entre 1787 e 1838 sete obras monográficas foram publicadas e nomes diferentes foram aplicados por diferentes autores para a mesma espécie de pelargônios, e nomes idênticos foram aplicadas por diferentes autores para pelargônios diferentes. Mudas híbridas foram cultivadas sob os mesmos nomes de seus pais maternos, a confusão resultante ainda persiste. Por exemplo: em alguns casos, a planta que é chamada de Pelargônio ‘essência de rosas’ parece ser o Pelargonium capitatum; enquanto a planta que é cultivada como Pelargonium capitatum é um híbrido entre Pelargonium graveolens e Pelargonium radens que é apropriadamente chamado Pelargonium X asperum. Do mesmo modo, pelo menos algumas plantas cultivadas como Pelargonium odoratissimum são provavelmente mudas híbridas de Pelargonium exstipulatum e devem ser adequadamente chamadas de Pelargonium X fragrans.
Com base em trabalho genético do gênero, M. G. Daker (2) concluiu-se que a maioria dos pelargonium aromáticos são derivadas de duas espécies, Pelargonium graveolens e Pelargonium crispum.
Atualmente, é consenso entre os botânicos que o gênero Pelargonium possui cerca de 260 espécies, a maioria proveniente da região costeira da África do Sul. Muitas espécies de Pelargônios são fáceis de crescer e por isso se tornaram tão populares como plantas de jardim que são agora cultivadas em todo o mundo (1).
Quase todos os cultivos de Pelargônios surgidos na Europa são de origem híbrida. O cultivo comercial começou no início do século XIX em Grasse, na França.
Grasse continuou a ser o principal centro de produção até a Segunda Guerra Mundial. A produção de Pelargonium rosat mudou então para Argélia, Marrocos e Reunião. Os mais importantes produtores de óleo de gerânio atualmente são China, Egito, Marrocos, África de Sul e Reunião, mas extensos setores de importância local começam a surgir na Índia e na Península da Criméia, Cáucaso e no Tajiquistão.
Para se obter 1L de OE de gerânio são necessários 800kg de planta florida.

Aromacologia

Óleo Essencial da feminilidade
Seu aroma sutil e suave transfere a energia arquetípica do sagrado feminino para o plano físico.
A frequência energética deste OE permite a materialização da energia sutil, sendo muito útil em momentos de transformação interior.
Aporta equilíbrio e estabilidade emocional em momentos de crise existencial, oferecendo calor e conforto.
Traz a possibilidade de abertura do chakra cardíaco e faz a conexão com o inconsciente, liberando memórias traumáticas e dolorosas que foram guardadas no coração. Auxilia a cura da dor emocional.
Combate o medo, insegurança e timidez, estimula a autoestima.
Ameniza a depressão e falta de confiança.
Indicado para depressão proveniente de mudanças hormonais na época dos ciclos menstruais, climatério e menopausa.
Ajuda a criar um ambiente positivo.
Formas de uso: ABCAFPFVIMPSTL

Cosmética

Considerado uma jóia rara para a pele.
Usado nos cuidados da pele, tem ação e hidratante e citofilática do tecido epitelial. Útil no tratamento de peles envelhecidas, ressecadas, enrugadas, eczematosas. Formas de uso: HM
Potencial regenerador da pele, recupera o tônus da pele madura. Formas de uso: HM
Adstringente, coadjuvante em tratamentos de regulação da oleosidade da pele. Melhora o aspecto da pele acneica. Formas de uso: HT
Pode ajudar nos cuidados da pele eczematosa e em caso de psoríase. Formas de uso: T
Útil em massagens para diminuir edemas e celulite Formas de uso: FLHM
Ajuda no alívio dos sintomas de tornozelos e pés inchados. Formas de uso: EPFP

Usos Tradicionais

Este OE tem sido usado ao longo dos tempos pela sua ação “Hormon-like”, coadjuvante em tratamentos de regulação hormonal (estrogênio e testosterona), potencial equilibrador das taxas hormonais masculinas e femininas.
Estimula o córtex adrenal, responsável pela produção de hormônios sexuais, auxilia a regulação do aparelho reprodutor feminino, reduz sintomas da TPM, cólicas, inchaço nos seios, menstruação excessiva, falta de menstruação, sintomas da pré-menopausa (climatério), menopausa, leucorréia (3). Formas de uso: BBAC CAFPFVIMPTL.
Tem sido usado no tratamento de distúrbios de mama e de útero em cataplasma de argila. Formas de uso: C.
Também regula a produção hormonal do aparelho reprodutor masculino, equilibra a produção e distribuição da testosterona. Formas de uso: BBAFPFVIM.
Anti-inflamatório e fungicida (4). Formas de uso: BBAFPFV.
Estimulante da circulação linfática e diurético, reduz edemas, celulite e o inchaço nos tornozelos. Formas de uso: BCFLFPFVM.
Favorece a assimilação dos açúcares e do amido. Estimula primariamente a produção de insulina (3). Formas de uso: BCFLFPFVM.
Tônico nervoso, acalma a mente. Bom para combater fadiga e falta de ânimo. Formas de uso: BCFLFPFVM.

Segurança no Uso

Desaconselhável o uso durante os três primeiros meses de gestação.

Vishwa Schoppan
Bióloga, Ecóloga, Aromaterapeuta.

Referências:
1. Kasia B. Geranium. Reaktion books, 2013.
2. Daker MG. ‘Kleine Liebling’ a Haploid Cultivar of Pelargonium. Nature, volume 211, 549–550p, 30 July 1966.
3. Franchome P. La science de l’aromathérapie Vol.1. Romênia: Aromathéca, 2004.
4. Faucon M. Traité D’Aromathérapie Scientifique et Medicale Les Huiles Essentielles. Éditions Sang de la Terra, 2017.

Legenda das Formas de Uso:

OE = óleo essencial
OV = óleo vegetal
CS = colher de sopa

ADVERTÊNCIA: teste o OE sempre que estiver sendo usado pela primeira vez. Para isso, pingue 2 gotas de OE nas axilas, na parte interna do cotovelo e atrás da orelha. Espere por 12hs e observe. Caso apresente alguma reação alérgica, não recomendamos o uso deste OE. Realize este teste mesmo se o OE estiver diluído a um veículo carreador.

A quantidade de gotas de OE sugeridas dependerá da intensidade do aroma do OE escolhido. Alguns OE possuem aroma mais intenso, utilize quantidades menores. Use sempre diluições mínimas em crianças, idosos e gestantes.

AAromatização Ambiental: Pingue mais ou menos 12 gotas de OE na água do difusor ambiental. Adicione mais ou menos gotas de acordo com a intensidade do aroma.

BBanho de Imersão (banheira ou ofurô): Para aromatizar a água do banho, dissolva de 7 até 21 gotas de OE em 3 CS de leite de côco. Adicione mais ou menos gotas de acordo com a intensidade do aroma. Dissolva a mistura na banheira ou ofurô. Nunca use OE diretamente na banheira sem diluição em veículo carreador.

BABanho de Assento: Dilua 10 gotas de OE em 5 CS de leite de côco e adicione à água fria do banho de assento.

CAColar Aromático: Pingue 3 gotas de OE no algodão e acomode-o no orifício do colar. Adicione mais gotas toda vez que o aroma acabar.

CPCompressa Peitoral: Dilua 3 gotas de OE em 1 CS de OV e massageie a região peitoral. Após a massagem, aplique uma compressa morna.

FLFricção Local: Dilua de 3 até 5 gotas de OE em 1 CS de OV e fricione a área afetada.

FPFricção Plantar: Pingue 3 gotas de OE diretamente na planta de cada pé e friccione. Para OE dermoagressivos friccione diretamente pé com pé, não utilze as mãos.

FVFricção Vertebral: Dilua 6 gotas de OE em 1 CS de OV e aplique na coluna vertebral friccionando a pele vigorosamente.

IInalação:
- no lenço, pingue 3 gotas de OE;
- no inalador própro para uso de OE, pingue 5 gotas;
- no pulso, pingue 2 gotas de OE e friccione com o pulso da outra mão.

MMassagem: Adicione de 50 a 70 gotas de OE em 120ml de OV e utilize-o na massagem.

SSpray: Adicione 40 gotas de OE de sua preferência em uma solução de 60ml de álcool de cereais e 40ml de água deionizada. Use com um frasco spray.

TLTravesseiros e Lençóis: Pingue 2 gotas de OE nos travesseiros e 4 nos lençóis. Não pingue OE dermoagressivos nos travesseiros.

VVaporização: Pingue de 8 a 15 gotas de OE em um recipiente com água quente, cubra a cabeça com uma toalha ou cobertor e inspire profundamente até a água esfriar.

Os comentários estão desativados.