Olíbano 5ml

R$89,00

Em estoque

Óleo essencial da meditação

Nome cientifico: Boswellia carterii
Origem: Somália
Obtenção: destilação a vapor da resina
Coleção: Terra Flor Raro 5ml
Certificação: IBD Ingredientes Naturais
Selo IBD - Ingredientes Naturais, para produtos sem aditivos.
Aroma profundo, resinoso, purificador.
As notas perfumísticas resinosas deste aroma são predominantemente baixas. Remetem ao misticismo do deserto e estimulam a glândula pineal, potencializando o despertar do sistema imunológico.
Cria um ambiente de reverência ao sagrado, facilita a meditação, pacifica a mente, despertando a espiritualidade.
Reorganiza e reestrutura a psiquê.
É um dos melhores OE para curar feridas emocionais que manifestam-se na forma de doenças físicas.
Pode oferecer bons resultados no tratamento de doenças psicossomáticas.
Purifica o ambiente.
Desobstrutor das vias respiratórias, coadjuvante em tratamentos de asma e bronquite.
Antioxidante, previne rugas prematuras e rejuvenesce a pele.
Potencial imunoestimulante.

Desaconselhável o uso em massagens durante a gestação.


Cromatografia Olíbano
Lote 020

Você também pode gostar de…

Olíbano – Boswellia carterii

Olibano é derivado do árabe al-lubán – “o leite”, em referência à seiva leitosa que sai da pequena árvore de olíbano. O nome em francês, encens, deriva do latim insencum, que significa “aquele que queima”. Em inglês, frankinsence, faz referência aos francos (tribos germânicas, que ocuparam o território hoje denominado França) que introduziram a resina como forma de incenso na Europa. Na Somália, seu maior produtor, é conhecida como moho, que significa “árvore de Deus” – aquela que aporta proteção.

Originária da região do Mar Vermelho, norte da África e Península Arábica.

Boswellia é um dos gêneros da família botânica Burseraceae, que tem a sua origem no gênero Bursera, que por sua vez é uma homenagem ao médico e botânico alemão Joachim Burser (1583-1649). Distribui-se pela África, Índia, Península Arábica, florestas tropicais América do Sul e Central. Algumas árvores desta família são consideradas sagradas e crescem em biomas distintos como desertos ou florestas úmidas e sombreadas. A família Burseraceae possui aproximadamente 540 espécies, divididas em 21 gêneros, as quais na maioria produz um óleo-goma-resina, devido a sua composição rica em polissacarídeos.

O gênero Boswellia possui aproximadamente 25 espécies. A maioria das espécies deste gênero encontra-se atualmente na península arábica, nordeste da África e Índia. A B. carterii atualmente é uma espécie rara de ser encontrado em seu estado natural sob clima subdesértico. Apenas as árvores machos produzem a resina após 10 anos de idade. Ao alcançar a maioridade extrativa, inicia-se a retirada da resina de dois em dois anos. Após, 3 anos de extração, a árvore deverá ser deixada por um longo período em repouso para recuperar-se. A extração é realizada através de incisões profundas no tronco da árvore, de onde escorre uma seiva leitosa, a qual, com o tempo e o contato com o oxigênio, escurece e solidifica. Diferenças no solo e no clima criam uma diversidade de resinas dentro de uma mesma espécie. Quanto mais clara a resina mais terapêutico e valioso torna-se o OE. Quanto mais escura a resina menos terapêutico e mais barato o OE.

As espécies mais importantes de Boswelli são: B. serrata, encontrada nas regiões montanhosas da Índia; a B.sacra, que cresce no sul da península Arábica, em Oman; já na Somália encontramos a B. carterii e a B. frereana; na China também é encontrada a B. carterii.

A resina de Olíbano foi uma das substâncias mais apreciadas no mundo antigo, sendo um aromático tão valioso quanto as gemas e metais preciosos. Era vendido a preço de ouro. Seu valor era tal, que teve considerável influência na economia de alguns países, chegando a ser causa frequente de disputas políticas. Tem sido usada desde tempos imemoriais para fins religiosos, culturais e cerimonias medicinais e seu valor social e econômico é indiscutível.

Por muitos séculos tem sido usado para apoiar o sistema imunológico e combater infecções, tratar doenças da pele mas principalmente como agente anti-inflamatório e anestésico. Essas propriedades são atribuídas à presença de monoterpenos e sesquiterpenos e seus derivados terpenóides em sua constituição química. Os principais constituintes são α- e β-pinene, limonene, myrcene, linalol, entre outros.

Rendimento: 100kg resina/5Kg OE (1).

Aromacologia

Óleo Essencial da meditação
Aroma profundo, resinoso, purificador.
Considerado o OE do princípio dos tempos, aporta paz e serenidade para a conexão com a energia divina.
Seu aroma místico do deserto estimula a glândula pineal e o 7º chakra.
Cria um ambiente propício à reverência ao sagrado, facilitando a meditação e favorecendo a percepção espiritual.
Estimula o relaxamento da mente, permite a conexão entre o homem e o divino.
Promove o espaço energético protegido necessário para o desenvolvimento da devoção.
Desperta o interesse pela meditação.
De acordo com Keville & Green (2009), é um dos melhores OE para curar feridas emocionais que manifestam-se na forma de doenças físicas. Pode-se dizer que este OE pode oferecer bons resultados no tratamento de doenças psicossomáticas (2).
Esta resina foi usada ao longo da história da humanidade em fumigações nos doentes para expulsar os maus espíritos que lhes causavam a doença. Em tempos modernos, o aroma deste OE é considerado antidepressivo capaz de estimular bons pensamentos e eliminar a negatividade, criando um ambiente pacifico, e a paz mental é prioridade na recuperação da saúde e depressão nervosa.
Segundo Faucon (2017), este OE possui ação central sobre os ritmos, reorganizando e reestrurando a psiquê.
Formas de uso: ABCAIMPTLS

Cosmética

Aroma muito procurado pela perfumaria na fabricação de perfumes amadeirados. Serve como fixador. Formas de uso: P
Este OE era empregado pelos egípcios na fabricação de máscaras cosméticas de rejuvenescimento. Formas de uso: C
Cicatrizante, antioxidante, citofilático, quando adicionado ao creme facial pode reduzir os sinais do tempo e de expressões, proporcionando vitalidade à pele madura. Formas de uso: H
Pela sua propriedade adstringente pode ser útil para controlar a oleosidade da pele, combatendo acne. Formas de uso: T

Usos Tradicionais

O olíbano foi descrito na farmacopéia francesa em 1949.
As principais propriedades terapêuticas e indicações são: cicatrizante, adstringente, antioxidante, citofilático, mucolítico, expectorante, antisséptico, descongestionante respiratório e imunoestimulante (3).

A bibliografia é unânime em afirmar suas propriedades terapêuticas, anticatarral, expectorante, antisséptico e descongestionante respiratório. Infere-se que possua ação calmante em casos de bronquite, tosse, crises de asma, laringite e resfriado. Formas de uso: CEPFLIV
Um estudo publicado no Indian Journal of Allergy, Asthma and Immunology (1992), confere o uso de Glycyrrhiza glabra e Boswellia carterii, em casos de asma crônica. Tanto G.glabra e B. carterii apresentaram maior eficiência em caso de asma bronquica crônica (CBA) comparado ao uso de prednisolona*. A G.glabra apresentou maior eficiência em relação a B. carterii para este caso. Mesmo assim, a ação do olíbano foi excelente (4).
*Prednisolona é um fármaco pertencente ao grupo dos anti-inflamatórios esteroidais.

Também é considerado um imunoestimulante e anti-inflamatório articular e geniturinário, sendo recomendado na medicina popular para aliviar os sintomas de bursite, artrite, artrose, rigidez articular, cistite e leucorréia (5,6). Formas de uso: BBACEPFLMT

Efeito cicatrizante (7). Na Índia, foi utilizado no combate a lepra de pessoas de classes sociais privilegiadas.Formas de uso: T

Segundo Sellar (2002), possui propriedade adstringente, podendo agir como um tônico uterino. Sendo que a autora recomenda o uso deste OE para aromatizar a sala do parto e na depressão pós-parto por sua ação calmante e acalentadora (7). Formas de uso: AS

Lis-Bachin (2006), afirma que a segurança do uso do OE de olíbano em massagens durante gestação ainda não foi testada, porém estudos demonstraram ocorrência de espasmos uterinos in vitro. Desta forma é aconselhado não utilizar este OE em massagens. A inalação do seu aroma não apresenta contraindicação (8). Formas de uso: AS

Segurança no Uso

A segurança do uso do OE de olíbano em massagens durante gestação ainda não foi testada, porém estudos demonstraram ocorrência de espasmos uterinos in vitro. Desta forma é desaconselhado a utilização deste OE em massagens durante a gestação.
A inalação do OE não apresenta contraindicação.

Vishwa Schoppan
Bióloga, Ecóloga, Aromaterapeuta.

Referências:
1. Erligmann A. Les huiles essentilles culinaires. Aix-En-Provance. França: Édisud, 2009.

2. Kevile K, Green M. Aromatherapy. A Complete guide to the Healing art. Berkeley. EUA: Crossing Press, 29 ed, 2009.

3. Hammer KA, Carson CF, Riley TV. Antimicrobial activity of essential oils and other plant extracts. Journal of Applied Microbiology. 86: 985–990, 1999.

4. Al-Jawad FH, Al-Razzuqi RAM, Hashim HM, Al-Bayati NJM. Glycyrrhiza glabra versus Boswellia carterii in chronic bronchial asthma: A comparative study of efficacy. Indian Journal of Allergy, Asthma and Immunology. 26(1), 2012. Disponível em: http://medind.nic.in/iac/t12/i1/iact12i1p6.pdf

5. Fan AY, Lao L, Zhang RX, et al. Effects of an acetone extract of Boswellia carterii Birdw. (Burseraceae) gum resin on adjuvant-induced arthritis in lewis rats. Journal of Ethnopharmacology 101: 104–109, 2005. Disponível em: http://iitcinc.com/dev/wp-content/uploads/2014/02/pleth_mice.pdf

6. Faucon M. Traité D’Aromathérapie Scientifique et Medicale Les Huiles Essentielles. (3 ed.). Paris: Éditions Sang de la Terra, 2017.

7. Sellar W. Óleos que curam. Rio de janeiro: Nova Era, 2002.

8. Lis-Balchin M. Aromatherapy Science, A guide for healthcare porfessionals. (1 ed.). London, UK: Pharmaceutical Press, 2006.

Legenda das Formas de Uso:

OE = óleo essencial
OV = óleo vegetal
CS = colher de sopa

ADVERTÊNCIA: teste o OE sempre que estiver sendo usado pela primeira vez. Para isso, pingue 2 gotas de OE nas axilas, na parte interna do cotovelo e atrás da orelha. Espere por 12hs e observe. Caso apresente alguma reação alérgica, não recomendamos o uso deste OE. Realize este teste mesmo se o OE estiver diluído a um veículo carreador.

A quantidade de gotas de OE sugeridas dependerá da intensidade do aroma do OE escolhido. Alguns OE possuem aroma mais intenso, utilize quantidades menores. Use sempre diluições mínimas em crianças, idosos e gestantes.

AAromatização Ambiental: Pingue mais ou menos 12 gotas de OE na água do difusor ambiental. Adicione mais ou menos gotas de acordo com a intensidade do aroma.

BBanho de Imersão (banheira ou ofurô): Para aromatizar a água do banho, dissolva de 7 até 21 gotas de OE em 3 CS de leite de côco. Adicione mais ou menos gotas de acordo com a intensidade do aroma. Dissolva a mistura na banheira ou ofurô. Nunca use OE diretamente na banheira sem diluição em veículo carreador.

BABanho de Assento: Dilua 10 gotas de OE em 5 CS de leite de côco e adicione à água fria do banho de assento.

CCompressa local com água ou argila: Pingue de 5 até 10 gotas de OE em 1 CS de OV e dissolva na água fria ou quente. Use uma toalha para fazer a compressa. Na argila, pingue 3 gotas de OE para 1 CS de argila, adicione água ou água floral até formar uma pasta consistente. Use quantas CS de argila forem necessárias para formar uma pasta que cubra toda a área a receber a compressa.

CAColar Aromático: Pingue 3 gotas de OE no algodão e acomode-o no orifício do colar. Adicione mais gotas toda vez que o aroma acabar.

EPEscalda Pés: Dilua 15 gotas de OE ou sinergia em uma colher de OV e coloque numa balde ou ofurô de pés.

FLFricção Local: Dilua de 3 até 5 gotas de OE em 1 CS de OV e fricione a área afetada.

HHidratação:
- para o rosto dilua 1 gota de OE em 1 CS de OV;
- para o corpo pingue 60 gotas de OE em 120ml de OV, ou dilua o OE em qualquer outro veículo carreador (argila, creme, loção ou manteiga vegetal);
- para os cabelos pingue 5 gotas de OE em 1 CS de OV para hidratar a ponta dos fios.

IInalação:
- no lenço, pingue 3 gotas de OE;
- no inalador própro para uso de OE, pingue 5 gotas;
- no pulso, pingue 2 gotas de OE e friccione com o pulso da outra mão.

MMassagem: Adicione de 50 a 70 gotas de OE em 120ml de OV e utilize-o na massagem.

PPerfume: Use algumas gotas de OE como perfume natural. Nunca use óleos essenciais cítricos diretamente na pele e exponha-se ao sol.

SSpray: Adicione 40 gotas de OE de sua preferência em uma solução de 60ml de álcool de cereais e 40ml de água deionizada. Use com um frasco spray.

TUso Tópico: Pingue 5 gotas de OE diluídas em 1 CS de OV de pracaxi, andiroba, rosa mosqueta ou outro OV indicado.

TLTravesseiros e Lençóis: Pingue 2 gotas de OE nos travesseiros e 4 nos lençóis. Não pingue OE dermoagressivos nos travesseiros.

VVaporização: Pingue de 8 a 15 gotas de OE em um recipiente com água quente, cubra a cabeça com uma toalha ou cobertor e inspire profundamente até a água esfriar.

Os comentários estão desativados.