Cálamo 5ml

R$65,00

Em estoque

Óleo essencial da proteção

Nome cientifico: Acorus calamus
Origem: Índia
Obtenção: destilação a vapor das raízes
Coleção: Terra Flor Raro
Certificação: IBD Ingredientes Naturais
Selo IBD - Ingredientes Naturais, para produtos sem aditivos.
Aroma exótico de raiz, confortante que apazigua as dores do coração.
Desfaz pensamentos obsessivos e emoções estagnadas, levando embora o marasmo e a tristeza.
Estimula a energia vital.
Usado na medicina Ayurvédica para descongestionar, expectorar, desintoxicar e estimular a circulação dos líquidos corporais.
Estimula a digestão, carminativo, auxilia a expulsão de gases.
Ameniza dores articulares e musculares.
Potencial antimicrobiano, coadjuvante no combate ao mal hálito e gengivites.
Aumenta o apetite sexual.
Usado em massagens para redução de gordura localizada.
Desaconselhável o uso durante a gestação.

Cromatografia Cálamo

Você também pode gostar de…

Cálamo – Acorus calamus

Acorus calamus, deriva da palavra Acoron, utilizada por Dioscorides, que deriva do grego coreon, que significa “pupila”.
Na antiguidade essa planta era utilizada na medicina herbária para tratar inflamações dos olhos.
Calamus tem sido um símbolo do amor, associado com o mito grego Kalamos, filho de Maeander, deus dos rios. A lenda conta que Kalamus, o semi deus dos rios, se apaixonou por Karpos, filho de Zéfiro (o vento oeste) e Clóris (primavera, ou nova vegetação).
Karpos era um jovem renomado por sua beleza. Juntos, Kalamus e Karpos brincavam e nadavam nas águas do rio Meandrus, até que um dia, Karpos afogou-se. Kalamus, então, jogou-se no rio, afogando-se também, dando sua forma para os juncos, que receberam o seu nome, e Karpos cresceu nos juncos como a substância deste fruto da terra.
Os dois desde então, ao soprar do vento, murmuram os lamentos do amor perdido.
Cálamo pertence a família botânica Acoraceae, originário das regiões montanhosas da Ásia central, principalmente Índia.
Atualmente é aclimatado em todo o mundo, principalmente na Europa, sul da Rússia, sudeste da Sibéria, Indonésia, China, Burma, Japão, Sri Lanka, Austrália, sul do Canadá e EUA. Cultivado pelo interesse em suas folhas e raízes.
Seu habitat natural são brejos e beiras de lagos. A preparação do solo para seu cultivo é a mesma dos arrozais (1).
É uma gramínea perene, com aproximadamente 2m de altura e folhas lanceoladas.
Existem diferentes variedades de cálamo que distinguem-se pela inervatura das folhas, e pelo número de seus cromossomos.
Variedades: diplóide (2n=24); triplóide (3n=36); tetraplóide (4n=48).
A variedade Acorus calamus var. americanus– diplóide, é cultivada na América do Norte e Sibéria. Possui uma nervura central proeminente, sendo que as duas secundárias são facilmente perceptíveis. Livre do componente molecular β-asarona.
A variedade Acorus calamus var. calamus– triplóide, cultivada na Europa e Ásia, possui a folha com uma única nervura central proeminente, sendo as secundárias dificilmente perceptíveis. Possuem teores pequenos de β-asarona, entre 9 a 13%.
A variedade Acorus calamus– tetraplóide, conhecida como o cálamo verdadeiro, cultivada nas regiões sudeste e oriental da Ásia, apresentam até 70% de β-asarona (1).
A variedade diplóide e triplóide, apresentam teores maiores de metil isoeugenol.
A variedade tetraplóide contém teores elevados de β-asarona, componente químico apontado pela FDA (Food and Drug Administration americana) com potencial pró-carcinogênico.
A FDA americana baniu em 1968 o uso de cálamo da suplementação alimentar, devido ao potencial carcinogênico encontrado no componente molecular β-asarona.
Na medicina Ayurvédica e chinesa esta planta é utilizada há 4000 anos, sendo que observam-se praticas de “purificar/desintoxicar” o componente β-asarone do Acorus calamus antes da planta ser utilizada.
Sumérios e egípcios utilizavam as raízes secas como incenso.
Na Europa era utilizada para refrescar o ar das igrejas em dias de verão.
A Terra Flor Aromaterapia indica o acompanhamento das pesquisas em relação a toxicidade dessa molécula β-asorona, para todos que utilizarem esse aroma.

Aromacologia

Óleo Essencial do da proteção
Estimula a energia vital desfazendo pensamentos obsessivos e emoções estagnadas.
Leva embora a preguiça e o marasmo.
De acordo com o mito de Kalamus, ninguém sabe como destruir o amor não correspondido, somente um novo amor pode substituir o anterior. Apenas um outro sonho pode fazer murchar o sonho antigo. Aroma estreitamente relacionado com a renovação das dores do coração. Formas de uso: ABCAIMS

Cosmética

Seu alto potencial antioxidante o torna uma excelente opção para cremes e loções corporais. Formas de uso: H
Rejuvenescedor cutâneo. Formas de uso: BHM
Sua ação antimicrobiana é renomada no uso de dentifrícios. Formas de uso: BO
Estimulante do sistema linfático. Coadjuvante em tratamentos de drenagem linfática, retenção de líquidos, edemas e prevenção de celulite. Formas de uso: BCFLHM
A β-asarona por si só é conhecida por estimular a lipólise em adipócitos isolados através de regulação negativa de PPARγ e C/EBPa (proteínas pró-adipogênicas) e estimulação de lipase sensível a hormônios (HSL). Um estudo recente mostrou que a β-asarona isolada do óleo de Acorus calamus inibe a adipogênese em células 3T3-L1 e, assim, reduz o acúmulo de lipídeos nas células de gordura (2).
A pesquisa acima fundamenta o uso empírico do OE de cálamo em massagens para inibir a formação de gordura localizada. Formas de uso: FLM
Usado na indústria cosmética para aromatizar dentifrícios.

Usos Tradicionais

Tem sido usado na medicina Ayurveda e chinesa para descongestionar, expectorar, desintoxicar e estimular a circulação dos líquidos corporais.
A bibliografia cita as propriedades terapêuticas antiespasmódica, digestiva, estimulante do metabolismo e da circulação sanguínea, antireumática, antimicrobiana, expectorante, descongestionante e afrodisíaco (3). Formas de uso: BCFLFPFVIMTV
Pesquisas recentes demonstraram, porém sem comprovar os mecanismos, ação neuroprotetora pequena deste OE. Parece agir prevenindo derrames e protegendo o organismo contra os efeitos da acrilamida, com alto potencial de neurotoxicidade e carcinogênese (4). A acrilamida é uma substância gerada em alimentos ricos em amido quando fritos ou muito cozidos.
Formas de uso: BFLFPFVMV
Pesquisas realizadas para o alívio da dor, demonstraram que existe uma diminuição do impulso da dor como uso deste OE (5). Ocorre uma estimulação da circulação sanguínea, acalmando os sintomas da artrite, dor lombar e articular e também em dor de cabeça. Formas de uso: FLIM
Observou-se nos experimentos em hipertensos que o aumento da pressão arterial sistólica e diastólica foi atenuado (6). Supõem-se que Acorus calamus pode ser anti-hipertensivo. Formas de uso: BEPFLFPFVIMV
outro estudo demonstrou uma possível ação de mecanismos diretos que podem resultar em reduções na glicemia, incluindo mecanismos celulares (aumentando a absorção de glicose no nível celular) e estimulando a liberação de insulina do pâncreas (7). Formas de uso: BFLFPFVIMV
Usado para tratar desordens respiratórias como resfriados, sinusite e tosse. Estudos mostram a eficiência deste OE em problemas respiratórios (8). Formas de uso: BCPEPFLFPFVIMV
Também encontra-se dados bibliográficos de seu uso para amenizar espasmos, o que o torna um excelente carminativo, aliado no combate a formação de gases. Formas de uso: FLFPM
Embasado em sua ação antimicrobiana, é útil em bochechos para gengivite e mau hálito. Formas de uso: BO
Referências bibliográficas incluem seu uso para fortalecer as supra renais durante longos períodos de estresse ou fraqueza. Formas de uso: ABS

Segurança no Uso

Desaconselhável o uso durante a gestação.

Vishwa Schoppan
Bióloga, Ecóloga, Aromaterapeuta.

Referências:
1. Acorus Calamus. Disponível em: https://examine.com/supplements/acorus-calamus/
2. Lee SH, et al. Asarone inhibits adipogenesis and stimulates lipolysis in 3T3-L1 adipocytes. Cell Mol Biol (Noisy-le-grand), 2010.
3. Mittal N, Ginwal HS, Varshney VK. Pharmaceutical and biotechnological potential of Acorus calamus Linn.: an indigenous highly valued medicinal plant species. Pharmacognosy Reviews 3(5):93-103, 2009.
4. Srivastava S, et al. Effect of single and repeated doses of acrylamide and bis-acrylamide on glutathione-S-transferase and dopamine receptors in rat brain. Brain Res, 1986.
5. Khan MA, Islam MT. Analgesic and cytotoxic activity of Acorus calamus L., Kigelia pinnata L., Mangifera indica L. and Tabernaemontana divaricata L. J Pharm Bioallied Sci, 2012.
6. Patel P, Vaghasiya J, Thakor A, Jariwala J. Antihypertensive effect of rhizome part of Acorus calamus on renal artery occlusion induced hypertension in rats. Asian Pac J Trop Dis. 2:S6-S10, 2012.
7. Si MM, et al. Insulin releasing and alpha-glucosidase inhibitory activity of ethyl acetate fraction of Acorus calamus in vitro and in vivo. J Ethnopharmacol, 2010.
8. Shah AJ, Gilani AH. Bronchodilatory effect of Acorus calamus (Linn.) is mediated through multiple pathways. J Ethnopharmacol, 2010.

Legenda das Formas de Uso:

OE = óleo essencial
OV = óleo vegetal
CS = colher de sopa

ADVERTÊNCIA: teste o OE sempre que estiver sendo usado pela primeira vez. Para isso, pingue 2 gotas de OE nas axilas, na parte interna do cotovelo e atrás da orelha. Espere por 12hs e observe. Caso apresente alguma reação alérgica, não recomendamos o uso deste OE. Realize este teste mesmo se o OE estiver diluído a um veículo carreador.

A quantidade de gotas de OE sugeridas dependerá da intensidade do aroma do OE escolhido. Alguns OE possuem aroma mais intenso, utilize quantidades menores. Use sempre diluições mínimas em crianças, idosos e gestantes.

AAromatização Ambiental: pingue mais ou menos 12 gotas de OE na água do difusor ambiental. Adicione mais ou menos gotas de acordo com a intensidade do aroma.

BBanho de Imersão (banheira ou ofurô): para aromatizar a água do banho, dissolva de 7 até 21 gotas de OE em 3 CS de leite de côco. Adicione mais ou menos gotas de acordo com a intensidade do aroma. Dissolva a mistura na banheira ou ofurô. Nunca use OE diretamente na banheira sem diluição em veículo carreador.

BOBochecho: pingue 3 gotas de OE em um copo d’água, ou dilua em 3ml de OV. Não engolir.

CCompressa local com água ou argila: pingue de 5 até 10 gotas de OE em 1 CS de OV e dissolva na água fria ou quente. Use uma toalha para fazer a compressa. Na argila, pingue 3 gotas de OE para 1 CS de argila, adicione água ou água floral até formar uma pasta consistente. Use quantas CS de argila forem necessárias para formar uma pasta que cubra toda a área a receber a compressa.

CPCompressa Peitoral: dilua 3 gotas de OE em 1 CS de OV e massageie a região peitoral. Após a massagem, aplique uma compressa morna.

FLFricção Local: dilua de 3 até 5 gotas de OE em 1 CS de OV e fricione a área afetada.

FPFricção Plantar: pingue 3 gotas de OE diretamente na planta de cada pé e friccione. Para OE dermoagressivos friccione diretamente pé com pé, não utilze as mãos.

FVFricção Vertebral: dilua 6 gotas de OE em 1 CS de OV e aplique na coluna vertebral friccionando a pele vigorosamente.

HHidratação:
- para o rosto dilua 1 gota de OE em 1 CS de OV;
- para o corpo pingue 60 gotas de OE em 120ml de OV, ou dilua o OE em qualquer outro veículo carreador (argila, creme, loção ou manteiga vegetal);
- para os cabelos pingue 5 gotas de OE em 1 CS de OV para hidratar a ponta dos fios.

IInalação: no lenço, pingue 3 gotas de OE; no inalador própro para uso de OE, pingue 5 gotas; no pulso, pingue 2 gotas de OE e friccione com o pulso da outra mão.

MMassagem: adicione de 50 a 70 gotas de OE em 120ml de OV e utilize-o na massagem.

SSpray: adicione 40 gotas de OE de sua preferência em uma solução de 60ml de álcool de cereais e 40ml de água deionizada. Use com um frasco spray.

TUso Tópico: pingue 5 gotas de OE diluídas em 1 CS de OV de pracaxi, andiroba, rosa mosqueta ou outro OV indicado.

VVaporização: pingue de 8 a 15 gotas de OE em um recipiente com água quente, cubra a cabeça com uma toalha ou cobertor e inspire profundamente até a água esfriar.

Avaliações

Não há avaliações ainda.

Apenas clientes logados que compraram este produto podem deixar uma avaliação.