Sangue de Dragão Seiva resinosa 10ml

R$47,84

Em estoque

Seiva medicinal da floresta

Nome científico: Croton lechleri
Origem: Peru
Obtenção: Trado
Coleção: Terra Flor Essencial – Seiva resinosa 10ml
Certificação: IBD Ingredientes Naturais
Selo IBD - Ingredientes Naturais, para produtos sem aditivos.
A seiva resinosa de sangue de dragão é extraída de uma árvore nativa da América do Sul e que cresce na Floresta Amazônica, numa faixa que cobre Peru, Colômbia, Equador e Brasil.
A árvore e a seiva resinosa receberam este nome pela cor da seiva, que tem um tom vermelho escuro. Esta seiva é rica em propriedades antioxidantes, cicatrizantes e anti-inflamatórias e é utilizada pelos nativos da região como um recurso natural para cuidar da pele. Ao ser aplicada na pele, a seiva resseca e protege a região, prevenindo a ação de agentes externos.
Por ser uma seiva resinosa, esse produto pode solidificar dependendo das condições de armazenamento. Isso não altera a qualidade do produto, é apenas uma característica natural. Faça um banho-maria com água morna, fora do fogo, para retornar ao estado líquido. Não utilize água fervente!

Faça o seu Login para liberar o download
dos arquivos de cromatografia e/ou laudo técnico de análise.

Você também pode gostar de…

Sangue De Dragão – Croton Lechleri

A seiva resinosa conhecida como “sangue de dragão” ou “sangra d’água” é retirada da espécie Croton lechleri, que pertence ao gênero Croton, da família Euphorbiaceae. A planta tem origem nas regiões amazônicas do Brasil, Peru e Colômbia, prosperando especialmente em locais próximos a rios e charcos.
A seiva é exsudada pela planta por meio de cortes na casca da árvore, que geralmente atinge uma altura de 5 a 10 metros.
Embora informações específicas sobre o rendimento da extração não tenham sido encontradas na literatura pesquisada, a seiva resinosa de sangue de dragão é conhecida por suas propriedades especiais e é valorizada em diferentes culturas tradicionais amazônicas por suas aplicações medicinais e etnofarmacológicas.
Os resultados de estudos in vitro e in vivo apoiam amplamente a maioria dos usos medicinais da seiva resinosa de sangue de dragão, incluindo o tratamento de diarreia, feridas, tumores, úlceras estomacais, infecção por herpes, coceira, dor e inchaço de picadas de insetos, e outras condições. Estudos clínicos demonstram baixa toxicidade e boa tolerância das preparações utilizadas (1).
Desde os tempos imemoriais, os povos tradicionais amazônicos utilizam a seiva resinosa de sangue de dragão como um poderoso cicatrizante, analgésico e anti-inflamatório. Até o momento, as procianidinas e os alcaloides, como dimetilcedrusina e taspina, são considerados os princípios ativos da seiva responsáveis pelas principais ações (1,2).
A taspina é um poderoso componente da seiva resinosa de sangue de dragão. Considerada “o primeiro alcaloide vegetal confirmado para acelerar a cicatrização de feridas”, acredita-se que esta substância promova uma sinalização química nas células, estimulando a migração de fibroblastos para a região a ser reparada (1). Dessa forma, o sangue de dragão tem sido empregado nos cuidados com feridas de longa duração e difícil cicatrização, como úlceras varicosas e escaras. Pode ser um excelente fortalecedor de gengivas, reduzindo o sangramento durante os cuidados com a gengivite.
Outra ação terapêutica muito útil é a capacidade anti-inflamatória. Empiricamente, os indígenas recorrem a este potencial quando utilizam o sangue de dragão em banhos de assento antes e após o parto, no intuito de prevenir e cuidar de infecções e inflamações vaginais. Nas comunidades mais remotas, onde não há assistência médica disponível, o sangue de dragão tem sido utilizado inclusive para evitar sangramentos.

Pesquisas mais recentes apontam que o princípio ativo específico responsável pela atividade anti-inflamatória e inibição da dor é o alcaloide taspina, enquanto diferentes componentes presentes na seiva resinosa de sangue de dragão são capazes de inibir a sensação da dor e bloquear a resposta inflamatória (1,2).
Devido às suas ações analgésica, anti-inflamatória, antioxidante, cicatrizante, regeneradora de tecidos, antitumoral e imunomoduladora (1,2), a seiva resinosa de sangue de dragão tem despertado cada vez mais interesse no campo de pesquisas e aplicação de plantas medicinais. Pode ser acrescentada em cosméticos para os cuidados de pele do dia a dia.

Aromacologia

Seiva medicinal da floresta
Aroma terroso, poderoso elixir produzido pela natureza. Aporta o sentimento de gratidão pela Mãe Terra em amparar seus filhos com tamanha generosidade. Formas de uso: CFLMT

Cosmética

Útil em cosméticos para o fortalecimento do colágeno e renovação epitelial.
Ideal para peles maduras ou para quem busca aparência jovial e saudável da pele.
Favorece a recuperação da beleza e maciez de peles danificadas, com acne ou oleosidade. Formas de uso: CFLMT

Usos Tradicionais

Tradicionalmente utilizada pelos povos indígenas da Amazônia como um poderoso recurso para lidar com ferimentos, machucados e sangramentos, inclusive no pós-parto.
Seu uso estético tem muito valor. Pode ser acrescentada em cosméticos e óleos de massagem facial e corporal para a manutenção e resgate da beleza e jovialidade da pele. Atualmente na Europa, o sangue de dragão e o óleo de pracaxi, são conhecidos como: “joias da floresta amazônica” por seu potencial cosmético. Formas de uso: BACFLMT

Vishwa Schoppan
Bióloga, Ecóloga, Aromaterapeuta.

Referências:
1. Jones, K. Review of Sangre de Drago (Croton lechleri)—A South American Tree Sap in the Treatment of Diarrhea, Inflammation, Insect Bites, Viral Infections, and Wounds: Traditional Uses to Clinical Research. 9(6), 877–896 (2003). DOI:10.1089/107555303771952235
2. Williams, J. E. Review of Antiviral and Immunomodulating Properties of Plants of the Peruvian Rainforest with a Particular Emphasis on Uña de Gato and Sangre de Grado. Alternative Medicine Review, v. 6, n. 6, p. 567-580, 2001.